Participantes de "L" a "N"

 

 

 

Carnaval
Ligi@Tomarchio®

Carnaval de idéias
místicas tradições culturais remotas
carrosséis turbinados tecnológicos
nada lembra o passado.

História perdida no baú do esquecimento
passistas, porta-bandeiras, baianas,
baterias, alas de frente,
desfilam a falta da tradição perdida.

Sem mérito, moral, todos pagãos
reinventam a grande festa afro-brasileira
visitada por vários mundos distantes
fascinados pela sensualidade tropical.

Exibem aos forasteiros alucinados
estridentes sons e gestos sensuais
fantasias de anjos, deuses, animais
versejam cantos exóticos
perseveram no seu intento de entreter.

Um povo carente de educação e cultura
onde a fome, o tráfico e a impunidade imperam
financiados pelos donos do Brasil
expõem seus destaques seminus.

Sobre alegorias flutuantes milionárias
frenéticos corpos sedentos de sexo
dançam, rebolam, estrebucham
com a ausência de justiça social e igualdade de direitos.

Revolta minha envolta de espanto
vendo tanta dor e miséria periférica
vejo apenas mascarados qual bandidos
ladrões da dignidade e da poesia.

Com trabalho o ano inteiro
muitos sobrevivem da festividade pagã.
Pessoas religiosas, famílias unidas
na costura desses fardos da sociedade decadente.

Reflexos podem ser vistos
nos periódicos jornalísticos
do exibicionismo pernicioso
das rainhas e reis do Carnaval.

Súditos encharcados e bêbados
acometidos de loucura oportunista
digladiam-se por uma chance
de ao menos por alguns instantes
participarem de blocos fantasiados de alegria.

Sentem-se assim, menos miseráveis
e até cidadãos da pátria mãe gentil
entregue aos estrangeiros da guerra.

Pactuar com essa Babel
retroceder às medievais barbáries
não fará de mim alguém mais feliz...

Apenas uma brasileira envergonhada
pelas injustiças da pirâmide social
onde todos desmoronam
a cada quarta-feira de cinzas...

Ligi@Tomarchio®


Poema de Carnaval
Luli Coutinho

Do morro, novamente!
Desce uma estrela cadente
Brilhando na passarela
No samba de amor envolvente

Um corpo de ébano perfeito
Tal princesa africana
Numa dança sintonizada
Ei-la, estrela do carnaval!

Os passos do samba nos pés
O jogo gracioso de suas pernas
Insinuando a sua cintura
Dá-lhe ritmo e desenvoltura

No corpo uma entrega
A dança que nos acaricia
A comunicação e alquimia
Com graça e forte sintonia

Ela abraça a passarela em salvas
Bordando o asfalto com os pés
Leva seu samba com fé
Ei-la, rainha do carnaval!

23/01/07

LuliCoutinho
www.lulicoutinho.prosaeverso.net


Amor de Carnaval
Marcelo Romano 

Piazza San Marco , entre estrellas , 
tules , mascaras te veo pasar , 
reflejas tu rostro en espejo mágico, 
escapaste de un cuento ...en esta tarde de carnaval 

Medieval plaza con risas y cantos , bufones , 
trovadores , príncipes aprendices del amor...,
todos buscando conquistar y soñando ser lo que no son.. 

Tu mirada se cruza con mis ojos y el carnaval parece comenzar ..., 
volátil tu cuerpo cruza plateando caminos 
dejando soles que calientan cuerpos alegres , 
felices ...admirando tu andar...

En el puente de los suspiros donde te veo reír, 
iluminando la tarde , alegrando el carnaval, 
coqueteas con tu vestido de raso salmón , 
tu mascara tan blanca como la espuma del mar..

Tibias manos cobran vida con mis besos saludando , 
imagen de fantasía , de ilusión que en esta tarde fría de carnaval 
me dejo con un puñal en mi pecho al no poderte amar .

Veo como te marchas ...te alejas ... no te puedo alcanzar..., 
despido una ilusión fantasmal ,
me doy cuenta que solo fue un amor de carnaval .

Marcelo Romano

Salta-Argentina

www.locurapoetica.com



Amor de carnaval
Marcelo Romano

Piazza San Marco , entre estrelas, 
tules , máscaras te vejo passar, refletes 
teu rosto em espelho mágico, escapaste 
de um conto...nesta tarde de carnaval 

Medieval praça com risos e cantos, 
bufões trovadores, príncipes aprendizes do amor... 
todos procurando conquistar e sonhando ser o que não são.. 

Teu olhar se cruza com os meus olhos e o carnaval parece começar... 
volátil teu corpo cruza prateando caminhos
deixando sóis que esquentam corpos alegres, felizes... 
admirando teu andar... 

Na ponte dos suspiros onde te vejo rir, 
alumiando a tarde, alegrando o carnaval, 
coqueteas com teu vestido de raso salmão, 
tua máscara tão branca como a espuma do mar... 

Mornas mãos cobram vida com meus beijos saudando, 
imagem de fantasia, 
de ilusão que nesta tarde fria de carnaval 
deixo-me com um punhal em meu peito ao não te poder amar... 

Vejo como te marchas...te afastas ... não te posso alcançar 
despeço uma ilusão fantasmal, 
dou-me conta que só foi um amor de carnaval...

Marcelo Romano

Salta-Argentina

www.locurapoetica.com



Noche de Carnaval
Marcelo Romano

Carnavalito quiero bailar, 
en este amanecer ...
enredado en tu colorida pollera , 
tu trenza negra rozar...
festejando el carnaval , 
aroma de albahaca y amistad...
también un amorcito no viene mal ...
Alegre tenemos que estar....,
es noche de carnaval ...
toma mi mano ven a bailar..., 
gira , gira sin parar...
al ritmo del carnavalito 
¡que alegría me das !
que solo quiero amar..., 
tenemos permiso para disfrutar...,
al despuntar el alba 
amanecer abrazaditos 
entre papel picado , 
talco y espuma .
será como un lecho 
el suelo de este local...,
¡que linda boquita tienes mi china ! 
voy a comerla como 
a un durazno dulzon .
en el aire se mezclan
tu perfume y mi amor,
me gusta ver como bailas ,
moviendo tus pechos ...
que escapan de mi..., 
no huyas mi amor
que es noche de carnaval , 
todo esta permitido... 
hasta nos podemos amar..., 
quizás nos quedamos 
juntos para siempre...,
después de este carnaval....

Marcelo Romano
Salta-Argentina
www.locurapoetica.com 



Noite de Carnaval
Marcelo Romano

Carnavalinho quero dançar,
neste amanhecer...
enredado na sua colorida saia
sua trança negra roçar...
festejando o carhnaval,
cheiro de manjerição e amizade
tambémj um amorzinho não vem mal...
Alegres temos que estar...
é noite de carnaval...
pegue minha mão, venha dançar...
girqa,gira sem parar...
ao ritmo do carnavalinho
que alegria me dá!
que só quero amar...
temos permissão para desfrutar...
ao despontar o alva
amanhecer abraçadinhos
no meio do papel picado
talco e espuma...
será como um leito
o chão deste local...
que linda boquinha tem minha "china"!
vou come-la como
um pessego doçe,
no ar misturam-se
seu perfume e meu amor
que é noite de carnaval
tudo está permitido...
até nos podemos amar...
talvez nos ficamos
juntos sempre...
após deste carnaval...

MARCELO ROMANO
Salta-Argentina 
www.locurapoetica.com



Carnaval e Saudades
Margaret Pelicano

Carnaval moderno
festa de surpresas e magia,
brilham os corpos nus
em plena folia!

Carnaval antigo
Bandeiras Brancas no amor
este foi consumido pela globalização...
um horror!

Hoje, muita grandeza e perversão
que virou banalidade!
Ontem, simplicidade e encantamento
que saudade!

Brasília - 31/01/2005


Carnaval da Poesia!
Maria Mercedes Paiva

Colombina de meus versos,
na avenida destas pautas, que decoro,
vou vestindo de palavras os pensamentos,
-ornamentos de minha imaginação-
abrandando o coração com fantasias,
devaneio pelas vias dos meus sonhos
e desfilo na ala das ideações.

Sob o som das minhas rimas mais prosaicas,
o confete dos anseios,
nas estrofes das quimeras purpurinas
e nas trovas serpentinas do enleio,
evolvendo a dança das emoções.

Braço dados ao Pierrô dos dias idos
- esse pífaro nas linhas da harmonia-
repisa os ensinos que preciso na vida
- esse baile de lições...
Se obriga a dizer sim ao devaneio,
quando porta estandarte da poesia,
eu desfilo a estesia por emblema,
e me curvo à reverência do poema,
trajado em Arlequim das Ilusões!

Eme Paiva
SP.29.01.07


Pierrete
by Maricell
Não serás meu, nem nunca serei tua
Somos marionetes que o destino
Colocou frente à frente, no palco da ilusão. 

Somos Arlequim e Colombina
A brincar de viver em tantos carnavais
Eu, Pierrete a rir pelas calçadas...
Tu, um Pierrot... E nada mais. 

Apenas nossos olhos mostram a dor
Do vazio e do frio que há em nós
Não temos alma, nem ao menos sonhos
E ao amor, calamos nossa voz. 

E assim sem ter como chorar ou rir, a vida
Nos faz seguir por nossos descaminhos... 
Eu a dançar pelas esquinas 
Tu, em outras esquinas, a brincar de ser feliz 

Maricell/13 / 10 / 2001


Carnaval
Marici Bross 

Festa de cores e amores. 
Alegria de um povo. 
De um povo sofrido 
Mas de muitos amores, 
De muitos quereres. 
Que reinam em seus corações. 

Festa de amores e cores. 
Festa do povo que canta e dança. 
Expondo sua alegria. 
no cantar e no dançar 
É um povo que esquece 
que vibra e seus dissabores 
apaga, pois é a alegria. 

Tão esperada por um ano inteiro 
é a sua vez de rir e cantar 
é sua hora de ser feliz!! 
Isto é Carnaval de cores e amores. 
SP, 23-02-03 - 20:30hs.


Desfilando no carnaval
Marilena Ferioli Basso

Luzes brilhando,
Fogos estourando,
Palmas batendo,
A marcha cantando,
Os tambores afinados...
Todos se preparando para a entrada na avenida.
Dentro do meu bloco, espero a ordem de comando,
Aliso a fantasia de arlequim,todo enfeitada de cetim,
Me preparo para o grande desfile...
Minha única tristeza, é que o meu Arlequim se atrasou!
O que aconteceu? ...Onde será que ficou?...
O desfile dá a largada , e , para a arquibancada
meu olhar desesperado vai parar...
Começa a procura entre os rostos presentes,
na loucura da caminhada querendo-o encontrar...
Momentos de angústia, sinto-me só e perdida ,
sou uma a mais no meio da multidão...
Ao chegar na esquina, meu olhar ilumina,
meu sorriso se abre, pois encontro você...
Meu arlequim querido, sem você a colombina,
não consegue sambar ,não tem gosto pela vida...
Através dos olhos seus, enxergo tudo colorido,
sou feliz e vivo a vida de forma total...
Desfruto de cada momento de forma espontânea,
faço da vida um eterno carnaval,
Nas tristezas jogo confetes,
nas alegrias atiro serpentinas.
E assim como o desfilar na avenida ,
sempre com o sorriso para alegrar o publico,
levo a mesma imagem galante e trigueira
no desfile da nossas vidas.
Meu querido pierrô , vamos brindar
a alegria, a vida e o nosso amor!


Carnaval Na Ilha
Mário Osny Rosa

Nessa ilha da magia
Tudo está preparado.
Para a grande alegria
O carnaval foi lançado.

Escolheram a rainha
Que ao lado do rei momo.
Vai marca aquela magia
Estará de braço dado.

A passarela está adornada
Os carros sendo preparados.
A cidade está enfeitada
Os foliões estão animados.

Cada escola com seu enredo
Nesse país da alegria.
Tudo isso é um segredo
Nos três dias de folia.

As fantasias a mais belas
Que cada escola apresenta.
Desfilam pelas ruelas
Os tamborins que esquenta.

Visitem nossa ilha
Conheça nosso carnaval.
Cai logo na alegria
E viva essa alegria total.


São José, 28 de janeiro de 2007.

morja@intergate.com.br
www.mariopoetasadvogados.com.br


Carnaval
Nadir A D’Onofrio 

Sinônimo de festa, alegria 
Fantasias, lança perfume... 
Época de confetes, serpentinas 
Carros alegóricos, mescla de cores 
Dia esperado, euforia no ar 
Esse era o carnaval... 
Hoje, tudo mudou 
E o que era só alegria 
Passou ser, industria da fantasia! 
O sonho das quatro noites 
É a entrada dos dólares no país... 
Vale tudo, para atraírem turistas! 
Dragões, soltando fogo pela boca 
Banhos de cachoeira 
E o prato principal desse banquete 
Mulheres, em traje sumários 
Ou totalmente nuas... 
Onde a moral é o corpo escultural! 
As gordas, pobres coitadas... 
Rainhas das baterias? 
Nem pensar! 
Se quiserem desfilar 
Restam a alas das baianas 
Nas coreografias de rodopiar 
Quase morrem sufocadas 
Arrastando pelo asfalto Kilos de saias, arames, babados 
Vale tudo, na realização do sonho 
Satisfação do ego Aplausos dos turistas! 
O momento de glória na avenida... 

29/01/2007 
12h30 
Santos SP


Então carnaval.
Nany Schneider 

Chega outra vez a alegria de tantos,
A espera trabalhosa dos sonhos da avenida.
Montam-se verdadeiros cenários, madeira, papel, lantejoulas...
Bordam-se os panos da bandeira, fantasias e mantos.

Ensaia sonhando em encantos, a cabrocha escolhida.
Com seu par tão bem formulado, dança, seduz, tão brejeira...
Cheios de evoluções, cada um tomando cuidado, para melhor demonstrar,
O requinte apaixonado, do Mestre-Salas e sua Porta-Bandeira.

Mas mesmo com tanta magia, tanto samba e dedicação...
O coração da saudade, não deixa de relembrar,
A história meiga e antiga, tão cheia de emoção...
De um tristonho Pierrot e sua linda Colombina,
Em todos os carnavais, presentes na eterna canção.

Curitiba-Pr-Brasil
02/02/2005 03:40